Preparando os filhos para a obra do Senhor – Frei Josué no 4º dia da semana das Famílias

Todo aquele que educa o seu filho na vontade do Senhor, edifica a sua casa.

“Portanto, quem ouve estas minhas palavras e as põe em prática, é como um homem prudente, que construiu sua casa sobre a rocha” (Mateus 7,24).

Clique aqui e confira as fotos do 4º dia

Estamos no 4º dia do Famílias Consagradas celebrado aqui no oratório da divina misericórdia.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Hoje queremos rezar pelos filhos. Os filhos que têm na Sagrada Família, na pessoa de Jesus Cristo que também foi criança, adolescente, jovem e adulto, pois viveu 33 anos nessa terra, um modelo. Ele é modelo não só para os filhos, mas para os pais, para as famílias, para as celibatárias, para todos ele é modelo. Hoje, de maneira particular, ele é o modelo dos filhos. Numa canção antiga do Padre Zezinho, temos uma estrofe que diz: “Tudo seria bem melhor, se o natal não fosse um dia, e se as mães fossem Maria, e se os pais fossem José, e se os filhos parecessem com Jesus de Nazaré”. O quanto seria diferente se todo dia fosse natal, se fosse o nascimento de Jesus em nossos corações e em nossas vidas. Como Nossa Senhora é o modelo para as mães, os pais são representados por São José, e os filhos são representados por Jesus.

Essa é a Sagrada Família! A Sagrada Família meus irmãos, é a família modelo. Quando Deus criou a humanidade, ele sonhou que essa humanidade fosse governada pelo homem, mas não o homem só, um homem que tenha uma mulher, sua esposa, que começou por Adão e Eva. Deus lhes deu a graça de gerarem filhos, só que, antes de eles gerarem filhos eles pecaram, ouviram o demônio, se rebelaram contra Deus, e aí já geraram filhos no pecado. E o que aconteceu com a família de Adão e Eva? Um filho matou o outro. Caim, o primogênito, matou o seu irmão por pura inveja, por pura maldade. Imagine que tristeza um irmão matar o outro, uma família ser destruída? Quando estamos no pecado meus irmãos, quando infelizmente vivemos fora do plano de Deus, a nossa família se destrói.

 A nossa família fica como a de Adão, Eva, Caim e Abel. Mas quando Deus quis salvar a humanidade, Deus escolheu um pai que fosse maravilhoso, um homem justo, fiel, silencioso, trabalhador, um homem que preferia sofrer a fazer alguém sofrer, que preferiu fugir a que alguém desconfiasse da pureza de Nossa Senhora. Deus escolheu esse homem para ser um pai, para ser o pai do seu próprio filho Jesus e escolheu a mãe mais maravilhosa, mais perfeita, mais santa, uma nova Eva. Aquela que ouviu não um anjo decaído, mas um anjo de Deus, São Gabriel. Que vai dizer sim ao plano de Deus e vai ser a mãe do salvador, a mãe do messias. Aquela que junto com São José formando a Sagrada Família, vão cuidar de Jesus, vão viver em função de Jesus e vão prepará-lo para ser o nosso salvador aqui na terra. Por mais que sejamos diferentes de São José, de Nossa Senhora e de Jesus, esse é o sonho de Deus para nós. Deus quer salvar o mundo, mas quer salvar o mundo a partir de nossas famílias.

 A salvação é individual num primeiro momento, mas assim como ocorreu com Santo André que foi o responsável por levar seu irmão São Pedro para Jesus, assim também nós devemos levar nossas famílias para Jesus. Deus quer que nossas famílias sejam alcançadas. Imagine meu irmão, você ver um dos seus no inferno? Alguém perdido, alguém que foi criado com você? Sabemos da dor de uma mãe quando vê o seu filho sofrendo, o seu filho perdido no mundo, agora imagine o seu filho perdido eternamente no inferno? Quando vemos um filho drogado, perdido, isso é uma dor imensa para um pai e uma mãe, agora imagine ver o seu filho perdido eternamente no inferno? Quando morrermos vamos saber quem da nossa família se perdeu e quem se salvou. Imagina o quão terrível será ver os seus familiares perdidos no inferno? Os laços familiares são tão fortes que nem o inferno pode destruir!

 Por isso, não podemos perder o amor, a coragem, a fé e a esperança de que nossa família pode se converter. Vejamos o exemplo de Jesus enquanto criança: Jesus foi igual quando criança, menos no pecado. Jesus aos 12 anos tinha a Deus como o grande amor da sua vida. Cuide dos seus filhos dessa mesma forma! Cada um de nós, principalmente no final da infância começamos a nos apaixonar por alguma coisa, os meninos adoram futebol, videogame, violão, mas a paixão de Jesus era apenas rezar com o pai. Jesus amava o pai, e olha que ele tinha como pai virginal São José. Imagina a honra de ser filho de são José! Imagina o amor de Nossa Senhora que tanto cuidava, venerava e amava Jesus. A vivência da Sagrada Família era linda, perfeita, simples, e de muito amor, trabalho e oração, e, mesmo tendo uma família maravilhosa, Jesus não podia ter um tempo sobrando que ele corria e ia ficar rezando com Jesus.

Hoje podemos compreender no salmo 121, quando diz “que alegria quando me disseram vamos para a casa do senhor”. Assim era Jesus. Jesus corria e se alegrava para estar em oração com o Pai. Jesus quando chegava em Jerusalém, ficava deslumbrado com o templo, com a casa de seu Pai. Quando adolescente, com apenas 12 anos, enquanto os meninos estavam brincando, Jesus estava com os adultos, estava com aqueles que estudavam a palavra de Deus. Jesus era um menino que conhecia a Deus, e os doutores da lei ficavam encantados com aquele menino e com as coisas que Ele dizia de seu pai. A boca fala daquilo que o coração está cheio, e Jesus falava apenas de Deus. Faça seu filho se apaixonar por Jesus. Traga ele para a igreja, ensine ele a rezar, imponha as mãos nele e peça o batismo do Espírito Santo sobre ele.

Ore por eles. Fale do amor de Deus. Dê o seu testemunho a seus filhos. Conte tudo o que você passou e que não quer que que ele passe quando você não tinha a experiência viva do amor de Deus. Ensine ele a se confessar, a amar a Eucaristia, a se aproximar de Nossa Senhora e amá-la. Gere no coração da criança um amor pela bíblia. Faça seu filho se apaixonar pelas coisas de Deus e verás ele se afastar do vício das drogas, do álcool, e da vida mundana. Ponha em prática com eles em casa a palavra de Deus.

 Eu tive um pai que mesmo chegando morto de cansado do trabalho, chegava em casa colocava todos os filhos para orar, e de joelhos ainda. Crie os seus filhos na religião católica e no verdadeiro amor a Deus. Se você não for amigo do seu filho, o traficante, a droga, a bebedeira vai conquistar ele. Nossas crianças estão sendo criadas num mundo imediatista, e como faz falta um pai e uma mãe no lar! Como é difícil hoje formar um filho sacerdote, uma pessoa que queira se sacrificar por Deus, e não ir embora por uma simples paixão ou por algo de pouco valor. Isso acontece porque não existe mais a perspectiva de eternidade. Quando um filho vê que seus pais se separaram, ainda que não estejamos aqui culpando ninguém por isso, ele vai aprender que isso é normal, que eternidade não existe, embora saibam que existem coisas que são consagradas e que temos que superar, temos que amar a Deus. O sacramento é o sagrado, e o casamento é algo divino.

A família é algo tão essencial na igreja! Mas, se a criança não ver isso dentro de casa, se ver apenas os seus pais se insultando, a criança não vai entender que amor, verdade, sacramento e eternidade existem. Que Deus existe! Como uma criança vai acreditar que Deus é pai, se o pai biológico dela sair de casa, sumir, não quiser mais aquela criança? Se o pai dela não a assumiu, ela vai se perguntar: Que Deus é esse? Essa é a realidade. Mas, a graça de Deus, a misericórdia divina está sempre acima de nós. Temos visto pessoas, filhos de pessoas tão problemáticas mas que hoje são pessoas de Deus, pela misericórdia divina. Não importa a sua realidade, o que importa é que você se volte para Deus, conheça o amor de Deus, se apaixone por Deus e faça os seus filhos pequenos se apaixonarem por Jesus.

 Traga os seus filhos para a igreja com paciência e vai ensinando, vai amando, não construa o seu filho na areia, ensine o que é essencial, dê o que é essencial. Que pena que hoje estão tirando a autoridade dos pais sobre as crianças. Hoje todas as crianças estão apenas “cheias de vontades”, e daqui a pouco, se você não der limite ao seu filho, se você não o educar, ele vai se voltar contra você, e vai te dar apenas desgosto. Crie um filho com amor mas crie com limites, ensine o que é certo e o que errado. Se você, com coerência, com fé, com amor e com paciência criar o seu filho na religião, o seu filho será uma benção e você não fracassará com ele. Peça ajuda e a intercessão de Nossa Senhora e de São José. Reze pelos seus filhos. Consagre-os a Deus, e sua família não será destruída. Seu futuro e os seus não serão destruídos, porque a família que está sendo construída na rocha, sobre a palavra de Deus, nunca irá esmorecer.

 

 

Deixe uma resposta