Cada Missa é ocasião de Transfiguração. Frei Josué na festa da Transfiguração 2017

“e eis que, entre as nuvens do céu, vinha um como filho do homem, aproximando-se do Ancião de muitos dias, e foi conduzido à sua presença” (Dn 7, 13), foi a Palavra meditada por Frei Josué na Festa da Transfiguração 2017.

Frei Josué na festa da Transfiguração 2017

Clique aqui e confira as fotos da FESTA DA TRANSFIGURAÇÃO 2017 na Mel de Deus. Abaixo, veja como foi a homilia na íntegra de Frei Josué.

Hoje estamos em festa. Ouvimos leituras lindas que falam sobre a Transfiguração de Jesus. A cada ano, em cada dia 06 de agosto, celebramos um dia muito especial porque celebramos essa festa e especialmente porque o carisma Mel de Deus nasceu de uma inspiração que Deus deu a Badia (Valdice, fundadora da Mel de Deus) para vivermos em busca dessa transfiguração.

Vivemos esse caminho de uma busca de santidade, de uma vida de oração, de ver como o Filho nos ensina a ser íntimos do Pai, e de como os apóstolos aprenderam a ser envolvidos por essa luz que é o Espírito Santo. A transfiguração é para nós o início de tudo. É um modelo. É a prefiguração do céu e o que iremos fazer por toda a eternidade diante de Deus. Até lá, estaremos nesse caminho de subidas e descidas. A vida seria perfeita se vivêssemos apenas no monte Tabor, mas não fomos criados para viver apenas isso, então temos que entender que teremos que sempre subir e descer do Monte várias vezes, para transfigurar este mundo. É aqui na terra que nós devemos conquistar a parte permanente deste monte que nos será o céu.

Na primeira leitura, um dos profetas maiores, Daniel, escreve uma parte do seu livro apocalíptico, que significa revelações. O livro de Daniel foi um dos últimos a ser escrito no antigo testamento e ele falava da preparação para a primeira vinda de Jesus, assim como o último livro, Apocalipse, fala sobre a segunda vinda de Cristo. Daniel teve a revelação do céu em seu livro. É para lá que vamos meus irmãos. Vamos para o céu. Isso não é uma história ou um conto de um livro. É para lá que estamos caminhando e para lá que vamos. Como é maravilhoso saber que caminhamos para o céu, e é nisso que se encontra o primeiro objetivo da transfiguração de Jesus.

Jesus sabia que estava caminhando ao céu e queria levar todos os seus discípulos contigo, mas, antes de chegar no céu, Jesus tinha que passar por uma grande dificuldade que seria a cruz. E Ele sabe, mais do que ninguém, porque Ele é Deus com o Pai e o Espírito, que nós, na nossa humanidade, trememos diante do sofrimento, mesmo sabendo que vamos viver no céu, na eternidade. Ele sabe que diante da cruz, do sofrimento e principalmente da morte, sentimos medo e desolação. A dor, a cruz, é a grande dificuldade que nós temos de vencer, e só conseguiremos vencer isso, por Cristo, com Cristo e em Cristo. Somente aquele que olhar para a cruz e ver para além dela, enxergando a ressurreição, a glória de Deus, conseguirá vencer a dor.

Jesus escolheu dentre os seus apóstolos, três que representariam a todos: Pedro, Tiago e João. Que benção é o Senhor levando os três para aquele monte para se transfigurar. Em outras palavras, o monte Tabor é um pedacinho do céu aqui na terra, e nos prepara para que tendo uma experiência tão profunda do batismo do Espírito santo, possamos ouvir a voz Deus, entender que Deus é real, é saber que o céu nos espera.

Somos amados por Deus meus irmãos, e tudo o que você está sofrendo, vai passar. Jesus diz: “Não se perturbe o vosso coração. Credes em Deus, crede também em mim. Na casa de meu Pai há muitas moradas. Não fora assim, e eu vos teria dito; pois vou preparar-vos um lugar. Depois de ir e vos preparar um lugar, voltarei e tomar-vos-ei comigo, para que, onde eu estou, também vós estejais. E vós conheceis o caminho para ir aonde vou”. João 14; 1-4. O que nos espera é muito grande. Essa palavra é verdadeira e fiel e subir ao Monte Tabor é estar perto da gloria de Deus. É ter essa evidência. É quando os nossos olhos se abrem e percebemos a grandeza da fé, das realidades divinas. São Pedro que foi testemunha disso, vai descrever em sua segunda carta: “Na realidade, não é baseando-nos em hábeis fábulas imaginadas que nós vos temos feito conhecer o poder e a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo, mas por termos visto a sua majestade com nossos próprios olhos”. 2ª Pedro, 1;16. Em outras palavras São Pedro, está dizendo: Eu vi, ninguém pode me enganar, porque eu vi como os meus próprios olhos. Porque Deus não levou todos os discípulos para verem também? Porque tem coisas que são pessoais, designadas de modo diferente a cada um.  E isso serve para você. Porque Deus ainda não salvou toda a sua família? Porque Ele quer começar com você. Se ele conquistar o seu coração de verdade, se você tiver essa experiência profunda e verdadeira, toda a sua família virá depois, através de sua  perseverança, o seu testemunho.

São João Paulo II, que meditamos ao longo de toda esta semana da transfiguração, sofreu desde criança até o final de sua vida, e aguentou passar por muitas tribulações. E quanto mais ele sofria mais ele mostrava a grandeza de sua humanidade. Porque isso? Porque ele teve a graça de tantas vezes ter visto a glória de Deus, de tantas vezes como São João, manter-se sempre ao lado de nossa senhora, e como São Pedro de tantas vezes ter celebrado a Santa Missa. Sabe qual o melhor momento da vida de São João Paulo II? Era a missa que todos os dias ele celebrava pela manhã. A força desse homem vinha da Eucaristia.

Entenda de uma vez por todas, que cada vez que você participar da Santa Missa você estará no Monte Tabor. Você acredita que Jesus se transfigura na comunhão? Todo dia isso pode acontecer, com sentimentos ou sem sentimentos, mas a sua fé não pode mudar. Você deve acreditar que cada Santa Missa é um Tabor, é onde você encontra sua força, sua coragem. Cada rosário, cada oração que você faz ao lado da Virgem Maria deve ser o Monte Tabor, deve ser uma ocasião de transfiguração. Cada comunhão é uma transfiguração. Não recebemos Jesus como um pedacinho de pão, algo material. Não! Você recebe seu Deus! É Ele transfigurado, glorioso. É o Deus que quer te dar força, renovar a tua fé, te envolver em sua graça. É aquele que na hora da cruz, na hora da dor, nos lembra dos momentos de transfiguração. Você tem que lembrar que o Tabor verdadeiramente aconteceu, e se você já teve experiência com Ele, vai entender que vamos para o eterno Tabor que é o céu. É isso que vai lhe sustentar. É isso que o Senhor quer nos ensinar na festa da Transfiguração.

Olhe para São João Paulo II meu irmão, e veja o que é uma alma transfigurada, uma alma de fé. Toda alma pode ser transformada, transfigurada por Deus, quando ela se abre à ação do Espírito. São João Paulo II, é o modelo de vida para nós. Uma pessoa tão simples, tão singela, mas que Deus usou muito na igreja. Siga este modelo de transfiguração. Temos que olhar para São João Paulo II e enxergamos que a entrega a Deus traz grandeza à nossa alma. Cruzes teremos, dificuldades teremos, mas creia: tudo pode ser vencido pela fé!

Deixe uma resposta