Como saber se você realmente perdoou?

Você quer parar de viver como prisioneira da amargura e do ressentimento? Então, perdoe. Parece fácil, certo? Bem, não, não é fácil, mas é mais fácil trabalhar o perdão do que passar a vida arrastando as correntes de ódio pelas pessoas que te machucaram.

O que é o perdão?

Primeiro, precisamos entender o que é o perdão. Perdoar significa cancelar a dívida moral que alguém nos deve. Quanto maior a ofensa cometida, maior a necessidade de perdoar e ser perdoado.

Três pontos a ter em mente

O primeiro passo para o verdadeiro perdão é ter a humildade de reconhecer que também ofendemos os outros e que também precisamos ser perdoados.

Lembre-se, também, de que o perdão não é um sentimento; é uma atitude. Não espere sentimentos calorosos de amor e perdão para com alguém que te machucou. Perdoe, e os sentimentos virão mais tarde.

Perdoar é uma ação realmente boa para nós. Precisamos perdoar para encontrar a cura interior. Podemos ser enganados ao pensar que o nosso rancor de alguma forma machuca ou afeta a outra pessoa, é como carregar um veneno e esperar que a outra pessoa seja ferida por isso.

Mitos comuns e fatos sobre o perdão

Aqui estão alguns mitos comuns sobre o perdão. Você reconhece algumas das suas próprias objeções aqui?

  • “Ele não merece meu perdão”. É verdade! Pode ser verdade que a pessoa que nos machucou não mereça nosso perdão. No entanto, merecemos ser livres e viver em paz.
  • “Eu não perdoo porque não posso”. Não é verdade! Se não perdoarmos, é porque não queremos; o perdão é um ato de vontade livre.
  • “Eu posso perdoar, mas não posso esquecer”. Todos podemos viver com isso. A menos que tenhamos algum tipo de problema de memória, é difícil para nós esquecer coisas que nos prejudicam. Não só isso: muitas vezes é melhor para nós lembrar, apenas para que possamos estar de guarda. Agora, isso não quer dizer estou esperando o momento certo para me vingar ou observar algum sofrimento da pessoa que me machucou. Perdoar não é o mesmo que esquecer; o ideal é lembrar sem cultivar o veneno da amargura.
  • “O perdão envolve necessariamente passar um tempo com a pessoa que nos machucou”. Mito! Na verdade, muitas vezes pode ser melhor manter distância por um tempo. Talvez ficar afastado de quem nos machucou possa realmente nos ajudar a perdoar e curar.
  • “Eu sou obrigado a contar para a pessoa quando eu a perdoei”. Não é verdade! O perdão é um ato pessoal que ocorre no momento em que tomo a decisão de perdoar alguém. O perdão é uma rua de mão única.
  • “Não podemos perdoar até que o agressor tenha dito que ele ou ela se arrepende”. Mito! O perdão é uma escolha, e sempre podemos escolher perdoar, mesmo que o agressor não tenha procurado perdão.
  • “Não posso te perdoar novamente, porque já te perdoei muitas vezes”. Não é verdade! O perdão é renovável; sempre podemos perdoar. No entanto, talvez devêssemos garantir que não haja mais oportunidades para a pessoa nos ferir. Definir limites é saudável e necessário, especialmente com pessoas que se aproveitam dos outros.
  • “Se eu perdoar, eu deveria renovar minha amizade com a pessoa que perdoei”. Não necessariamente.

Uma estrada que nunca acaba

Você finalmente perdoou: parabéns! Agora seja paciente consigo mesma, porque você provavelmente terá que renovar esse ato de perdão interiormente muitas vezes mais. Continue escolhendo rejeitar qualquer pensamento de vingança, ressentimento e autopiedade, e não espere sentimentos calorosos e difusos apareçam imediatamente. Seja paciente consigo mesmo. As feridas do coração podem levar tempo para curar, mas será mais fácil com o tempo.

 

Fonte: Aleteia

Deixe uma resposta