Festa de Corpus Christi 2017

A Igreja celebrou nesta quinta (15) a Festa de Corpus Christi, a solene instituição do Santíssimo Sacramento da Eucaristia

Dom Afonso – Bispo Diocesano de Luziânia, Dom Waldemar – Bispo Coadjutor e os Padres na celebração de Corpus Christi 2017

Veja abaixo o vídeo com a homilia de Dom Afonso

Clique aqui e confira as fotos da festa de Corpus Christi 2017 na Diocese de Luziânia /GO.

A Igreja Católica celebrou quinta-feira, 15, a Festa de Corpus Christi. Em Roma, o Papa Francisco presidiu Missa na Praça da Basílica São João de Latrão e disse que no Corpo de Cristo se comunica o amor de Deus por nós: um amor tão grande que nos alimenta com o Seu próprio ser; amor gratuito, sempre disponível a cada pessoa com fome e necessitada de revigorar suas forças.

Resultado de imagem para CORPUS CHRISTI PAPA FRANCISCO

No Brasil, a celebração do Corpus Christi teve procissões, missas e os famosos tapetes coloridos, feitos de serragem, flores, sal grosso, pó de café, tampinhas e outros materiais, pelas ruas.

Na Diocese de Luziânia /GO não foi diferente.  Desde o início da manhã já haviam pessoas das mais diversas pastorais e movimentos nas ruas do centro da cidade se movimentando para demonstrar todo seu amor e gratidão ao Corpo de Cristo.

A tradição de enfeitar o trajeto a ser percorrido pela procissão com o Santíssimo Sacramento é fruto da piedade popular, surgida em Portugal, e foi trazida ao Brasil pelos portugueses, tendo início na histórica cidade mineira de Ouro Preto. Inicialmente eram usados o sal e as serragens para a ornamentação. Atualmente, uma variedade de materiais é utilizada em diferentes locais por onde a tradição se espalhou. As ruas enfeitadas fazem alusão à entrada de Jesus em Jerusalém, onde as pessoas receberam o Mestre, colocando ramos de oliveira para que ele pisasse. O ostensório, com a hóstia consagrada, é o próprio Cristo Vivo, que passa sobre os tapetes, caminhando com o seu povo. Hoje, os tapetes, uma vez prontos, ficam preservados até que na procissão o Bispo caminhe levando Cristo na Eucaristia, e somente depois os fiéis pisam, seguindo os passos do Senhor.

Ruas da cidade de Luziânia sendo decoradas por fieis na festa de Corpus Christi 2017

A confecção dos tapetes também é um momento importante na “Festa da Unidade”, em que o povo se reúne para preparar o caminho. Cada um cede um pouco do seu tempo e trabalho. As pessoas se organizam, dividem as tarefas e, cuidadosamente, escolhem os desenhos.

Padre Roger Araújo da Comunidade Canção Nova, diz que “quando as pessoas vão às ruas para enfeitá-las, fazendo procissões em todos os lugares do mundo, são maneiras de dizer “obrigado”. É uma gratidão profunda por Deus, que vem da alma humana de forma tão sublime”.

Após o preparo para a festa, cerca de três mil fieis se reuniram na Catedral Diocesana de Luziânia /GO para celebrar a festa do Corpo de Cristo com a Santa Missa, que foi presidida pelo Bispo Diocesano Dom Afonso Fioreze.

Em sua homilia ele falou que para os cristãos se tratava de uma festa muito importante. Diz que entre os séculos IX e XIII surgiram grandes controvérsias sobre a presença real de Cristo na Eucaristia. Alguns afirmavam que a ceia se tratava apenas de um memorial que simbolizava a presença de Cristo. Foi somente em junho de 1246 que a festa de Corpus Christi foi instituída, após vários apelos de Santa Juliana, cujas visões solicitavam a instituição de uma festa em honra ao Santíssimo Sacramento. Em outubro de 1264, o Papa Urbano IV estendeu a solenidade para toda a Igreja.

Nessa celebração religiosa, vemos Jesus que caminha junto conosco, com a humanidade. Não fazemos isso como uma exibição, mas como uma entrega, consagração de nossas atividades para Jesus, já que Ele nos conduz em tudo que temos, fazemos e somos.

Catedral Diocesana de Luziânia /GO ficou lotada para a celebração de Corpus Christi

A procissão de Corpus Christi é para isso, para mostrar que Jesus caminha conosco em nossa vida, como aconteceu no caminho do povo de Israel rumo a Terra Santa.

A Eucaristia, de acordo com o Concílio Vaticano II, é raiz e ápice da vida cristã. Quando se diz raiz, é no sentido de que assim como a raiz traz força da terra para planta, também Cristo traz a força de Deus para nossa vida. E como ápice é até chegar ao ponto de nos encontrarmos com Deus.

Quando foi criada a festa, Urbano IV dotou a festa de belos hinos, de modo especial os criados por São Tomás de Aquino. Dentre eles, o “Tão sublime Sacramento”, como dizemos em português, para manifestar a presença de Deus em nosso meio.

A celebração da festa de Corpus Christi é para que tenhamos um dimensão diferente do que temos com nossos sentidos. Jesus diz assim: “Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele” (João 6,56). Sabemos, assim, que a Eucaristia nos faz participantes da vida de Deus, para vivermos com Ele em plenitude.

Por isso, a Eucaristia para nós é a presença de Cristo que caminha em nosso meio. Se tirássemos a presença Dele do nosso meio, teríamos um corpo morto, sem alma. Mas com a presença de Jesus temos a vida em Deus, que nos permite viver aquilo que é o projeto de Deus, de sermos Sua imagem e semelhança.

É pela Eucaristia que temos a presença de Deus e nosso zelo por ela manifesta nosso cuidado e zelo pela pessoa de Deus.Santa Clara, depois de uma certa idade, quando estava adoecida, vivia fazendo corporais para as comunidades pobres, a fim de que o corpo de Nosso Senhor fosse guardado com todo zelo. Também nós fazemos isso com nossa vida, cuidando para que possamos andar sobre o olhar Dele e cuidados por Deus, nos tornemos templos vivos.

Não somos uma humanidade órfã, mas um povo que vive sobre a proteção de Deus. Com a Eucaristia temos a alegria de ter a aliança com Deus renovada, Ele está conosco. Por isso, podemos afirmar que a Eucaristia é a força e vida do cristão, concluiu o Bispo Diocesano.

Logo após a Santa Missa, os fiéis fizeram a procissão, que acontece todos os anos, saindo da Catedral Diocesana até o Santuário de Santa Luzia.

A procissão manifesta o desejo dos cristãos de acompanhar Jesus pelo caminho. Ele passa chamando, convocando a segui-lo e cada um, na hóstia consagrada, segue a Cristo, Nosso Senhor. Da mesma forma acompanhando também, passando por este mundo, a caminho do reino eterno.

A adoração é o reconhecimento da presença real de Cristo na hóstia consagrada. Pão e vinho são matérias inanimadas. Os católicos adoram a Eucaristia naquele pão e naquele vinho consagrados, que contêm a presença real e verdadeira de Cristo. O pão e o vinho se tornam instrumentos para manifestar a presença de Jesus entre os homens, de tal forma que estar diante da Eucaristia não é estar diante de um pão e nem de um copo de vinho, mas, sim, do Senhor que ali assumiu a matéria do pão e do vinho para ter essa comunicação e essa proximidade com cada um.

A grande festa do Corpo de Cristo foi encerrada no Santuário de Santa Luzia, após a belíssima procissão, com a benção dada pelo Reitor do Santuário Padre Eriberto, diante de uma multidão de fieis que estavam presentes.

Deixe uma resposta