Fomos feitos para o eterno.

Nosso objetivo maior deve ser o Reino de Deus, Frei Josué no 5º dia da Semana Deus Conosco.

Hoje é o penúltimo dia do Ano Litúrgico e no próximo domingo já celebraremos um novo ano, com o Advento do Senhor, quando teremos a oportunidade de consagrar nossas famílias aos corações de Jesus e de Maria.

Na primeira leitura de hoje, nós escutamos a visão que Daniel teve de quatro animais: um parecido com o leão, outro semelhante a um urso, o terceiro era como um leopardo e o quarto era bem estranho e diferente, com 10 chifres. Esses animais representam os quatro grandes reinos que se sucederam na Antiguidade.

O leão representa o reino da Babilônia, com Nabucodonosor, que escravizou o povo de Deus, mas passou. O urso representa o reino dos Medo-Persas, um império grande, que passou também. O leopardo representa o reino grego de Alexandre, o Grande, que comandou um império poderoso, mas com 33 anos foi assassinado e seu reino foi dividido entre seus generais. O quarto animal terrível, extremamente violento e profanador, nos lembra um dos sucessores de Alexandre, Antíoco Epifanes. Foi um reinado terrível que profanou e desonrou o Templo de Deus. Ele sabia que um dos animais mais impuros para os judeus era o porco e mandou oferecer um sacrifício com carne de porco, no Altar do Senhor, chamado de ‘abominação da desolação’. Esse foi um tempo de devassidão e de muita miséria.

O livro de Daniel mostra a sucessão dos reinos da terra e, de repente, mostra um Ancião de muitos dias em seu trono, que é Deus. O que essa visão quer nos ensinar é que os reinos da terra, por maiores e mais poderosos que sejam, um dia, vão passar. A nossa vida aqui é limitada, então, não coloque sua esperança naquilo que é efêmero. Mas o Reino dos Céus não passará. Não podemos trocar a eternidade por coisas que são transitórias. Hoje, você pode ter muitas coisas, mas amanhã pode perder tudo. Hoje pode ter saúde, mas amanhã pode ter que enfrentar uma doença. Tudo na vida é passageiro. São bens temporais. Porém, nosso objetivo maior deve ser o Eterno, o Reino que jamais passará.

Jesus nos convida hoje a olhar para o Céu, e diante das dificuldades e tribulações, como o desemprego, a angústia, a dor, o desespero, ter fé e confiar porque tudo isso passará.

Nossa esperança é essa: o rio vai se encontrar com o mar.  Na história do boneco de sal, ele escutava de seus pais para nunca entrar no mar, pois lá iria desaparecer. Mas o menino tinha o sonho de conhecê-lo, e um dia teve coragem, subiu as dunas, correu e chegou diante dele. Logo se apaixonou. Colocou seu dedo na água, que desapareceu. E mesmo com medo, sentiu atração pelo mar. Colocou os pés, que foram desaparecendo. E quando o boneco de sal enfim mergulhou, desapareceu totalmente, percebendo que morria, mas ao mesmo tempo estava vivo, em comunhão com o mar. Este mar é Deus. Morremos para o mundo e vivemos em Cristo.

Nossa busca deve ser por Deus. Fomos criados para Ele. Nosso coração nunca se aquietará se não nos encontrarmos Nele. Procure a Deus nos sacramentos. Cada vez que comungamos, antecipamos o Céu. E Deus vai nos transformando, nos formando, nos modelando. Cada vez que você comunga, se confessa e reza, as pessoas percebem seu crescimento espiritual, mesmo que você não perceba. É uma bênção ter fé e viver com Nosso Senhor. Não troque nada desse mundo pelo Reino do Céu, que é nossa casa, nosso lar definitivo.

Deixe uma resposta