A Importância dos pais na formação da identidade sexual dos filhos.

A identidade sexual é um processo psicológico individual elaborado na infância, em que as crianças se identificam como pertencentes a um dos sexos.

100

Geralmente, este processo começa aos 2 anos e meio ou 3. É curioso que, se 6 meses antes você tentar comprovar se elas sabem a qual sexo pertencem, as crianças encolhem os ombros. Com o passar do tempo, se fizermos a pergunta: “Você é menino ou menina?”, certamente elas ficarão ofendidas diante da dúvida. Porém esta etapa tem limitações e depende da aparência externa, das roupas e dos acessórios. E pode mudar, já que a etapa estará mais concreta perto dos 8 ou 9 anos.

É uma etapa em que são marcadas as diferenças entre os sexos. O menino percebe as diferenças entre seu pai e sua mãe. Não só físicas, mas também em relação a funções e papéis. A criança estabelece quem pertence ao grupo dos homens e quem está no grupo das mulheres, e o uso da linguagem começará a diferenciar a posse dos objetos, roupas e utensílios de cada sexo.

O pequeno irá se adequando, pouco a pouco, à imagem ideal do seu próprio sexo, e escolherá como modelo o progenitor do seu mesmo sexo, já que as crianças aprendem por imitação. Da mesma forma que o menino imitará seu pai na forma de vestir, de se pentear, nos gostos, nos gestos e na forma de falar, também o fará na questão do desempenho dos papéis.

Estas diferenças estarão mais ou menos marcadas segundo o que está no seio da família. Existem lares onde tanto o pai quanto a mãe saem para trabalhar fora, dividem as tarefas de casa, a educação e o cuidado com os filhos. Além disso, o casal se trata de igual para igual. Nestes casos, o filho não marcará tanto as diferenças entre homens e mulheres no que diz respeito às funções de cada um.

(…)

Em resumo, a criança constrói a imagem ideal de seu próprio sexo em razão do ambiente em que se desenvolve: depende do comportamento dos adultos que a rodeiam e da relação que ela tem com eles. Mas também intervêm os estereótipos de gênero que a sociedade impõe e o status em que se insere a família a que a criança pertence.

A identidade psicossexual tem grande importância na vida posterior da criança. Sua adaptação social, sua relação com pessoas de outro sexo, assim como sua atitude na vida amorosa e nas relações sexuais serão resultados da forma como se desenvolveu essa identificação.

É necessário trabalhar para que nossos filhos tenham sucesso neste grande desafio que é se sentir bem com seu próprio corpo e todas as características que marcam a diferença sexual nos campos físicos, emocionais, psicológicos, sociais e espirituais. Conseguir isso implica ser feliz por “ser mulher” ou ser feliz por “ser homem”.

Aleteia

Deixe uma resposta