Rejeitar a ideologia de gênero é simplesmente uma constatação biológica, afirma especialista

“não aceitar a ideologia da discriminação por gênero não é questão de intolerância e homofobia”, mas “é a biologia simples” diz a Dra. em biodiversidade, genética e evolução, Pamela Puppo.

Imagem relacionada

Em um artigo publicado em 7 de março no site da Posición.pe, intitulado ” On ideologia de gênero ” Dra. Puppo explica que “quando os fetos são formados, têm dois cromossomos sexuais, XX ou XY, definindo menina (XX) ou um menino (XY). Os genes contidos nesses cromossomos determinam o desenvolvimento físico dos fetos. Assim, os embriões se desenvolvem com órgãos diferentes por sexo “.

“Na puberdade, um número de hormônios, a testosterona se do sexo masculino ou estrogênio e progesterona se do sexo feminino,  influenciam não só a forma física como a pessoa se desenvolve, mas em uma série de questões emocionais, psicológicas, etc” .

O especialista sublinhou que ” isto não é discriminação, é simples biologia .”

Dra. Puppo salienta que, contrariamente aos princípios da ideologia de gênero “, o feto nascido como homens ou mulheres não é um fato cultural, é biológico .”

“Ou eu vou dizer que quando uma mãe grávida faz ultrassom para descobrir o sexo do bebê e pergunte ao seu médico se o bebê é menino ou menina é ser homofóbico? Por favor! Não é a forma como as coisas são “, diz ela.

O especialista também adverte que “a ideologia do gênero não promove a igualdade de gênero. Ideologia de gênero promove assexualização do ser humano.”

“Esta ideologia, que é apenas isso: uma corrente de pensamento, não uma teoria científica, muito menos evidência científica, sustenta que os seres humanos são” neutros “quando nascem, e podem escolher se serão homens, mulheres, ou uma combinação dos dois quando crescer.” No entanto, precisamente, “não se pode superar a natureza.”

“Eu não posso mudar à vontade. Se um dia eu decidir para ser um gato, esse sentimento não vai fazer crescer o meu cabelo ou fazer crescer uma cauda. Ela nasceu como uma mulher e, portanto, têm uma série de órgãos próprios: útero, ovários, vagina, vulva. Não tenho nenhum ‘ direito ‘ para ter uma próstata ! “.

A Dra. em Biodiversidade, Genética e Evolução adverte que as pessoas que nascem com sexo e depois sentem que têm o sexo certo “sofre de uma síndrome conhecida como” disforia de gênero “. Não é a regra, é a exceção. Não vai entrar aqui casuística, suficiente para dizer que essas pessoas devem ser respeitadas, amadas e acompanhadas “.

A regra estabelece, ainda, que a ideologia de gênero promove os direitos das mulheres de serem respeitadas.

“Você quer reduzir o abuso sexual de mulheres? Em primeiro lugar, apoie as famílias ! A maioria dos estupradores vêm de famílias desestruturadas, onde o pai é muitas vezes ausente ou abusivo. Em segundo lugar, não incentive que as mulheres sejam utilizadas como objetos em mídias sociais, jornais, publicidade! Em terceiro lugar, dê mais apoio às mulheres que sofrem este tipo de violência, e que os agentes da lei efetivamente cumpram o seu dever de protegê-los .”

No o final de seu artigo, Dra. Puppo salienta que ” a igualdade não é alcançada negando nossas diferenças sexuais, a igualdade deve ser obtida respeitando as diferenças de cada sexo sexo e o que cada um traz para a sociedade”.

Fonte: ACI PRENSA

Deixe uma resposta